Educadores participam de atividades de acolhimento com pauta na saúde mental

Projeto surgiu durante a pandemia e contempla 200 servidores de diversos setores da Educação

O bem-estar dos educadores é uma das principais prioridades da Secretaria Municipal de Educação (Semed). Nesse sentido, a rede vem desenvolvendo em parceria com a Sala de Cuidados da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), o projeto “A vivência de Educação Afetiva pela Meditação”. A atividad,e que acontece quinzenalmente, às 16h, às quintas-feiras, no Google Meet, é responsável por trazer atividades remotas de relaxamento e envolvimento cultural.

O programa faz um ano este mês e surgiu a partir do olhar empático da Coordenadoria Geral de Projetos e Programas Educacionais da Semed (CGPPE), que observou a necessidade de amparar os professores durante o isolamento social.

Projeto de acolhimento acontece de forma remota.

A dinâmica traz atividades de orientações, meditações, yoga e práticas de autocuidado, que acontecem no mesmo dia em horários pré-determinados. Toda a vivência é muito bem recebida pelos servidores, como diz a coordenadora do projeto, Fabrícia Oliveira.

Segundo ela, o programa surgiu da necessidade de fortalecer a saúde mental dos professores durante a pandemia. Com a boa recepção, ele se estendeu para a parte administrativa da rede.

“Hoje são quase 200 pessoas inscritas, abrimos para diretores e administrativos e queremos continuar fornecendo o suporte afetivo e emocional para todos os profissionais, além de trazer outras práticas a partir da demanda”, afirmou Fabrícia.

Lives acontecem pelo Google Meet.

“Através da escuta, o programa garante suporte emocional para as pessoas. Com isso, as atividades foram integradas ao Programa Saúde na Escola [PSE]. O processo de participação ocorre através da divulgação da coordenadoria de programas e projetos educacionais que encaminha a abertura das inscrições para as escolas e setores. Depois disso, o setor ou a escola farão sua própria seleção e encaminharão o resultado para a Diretoria de Gestão Educacional. Por fim, o Centro de formação Paulo Freire fica responsável por gerar uma certificação para os participantes do processo de formação”, concluiu a coordenadora.

A professora do Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) Kyra Maria de Barros Paes, Alcy Bazílio, não esconde o entusiasmo e afirmou que o seu momento favorito é sempre o da meditação.

“Nesse momento, fecho os olhos, respiro fundo e, com uma música relaxante e palavras de meditação, me coloco em outro lugar. Me sinto renovada. Me faz esquecer tudo, o programa faz uma limpeza mental”, relata a educadora. Para ela, a meditação vem sendo muito benéfica, principalmente ao longo do isolamento social.

Práticas musicais

Entendendo os benefícios da musicalidade enquanto ferramenta de saúde mental, este ano, o grupo musical formado por servidores da Rede Municipal de Educação, o Edukanto, passou a integrar as “Vivências”. A ideia veio como forma de tornar a música uma prática terapêutica, com base em sua capacidade de acessar a memória afetiva.

Segundo o integrante do grupo, musicista e membro do Centro Cultural da Educação, Tércio Smith, as propriedades musicais foram o pontapé para sua utilização como ferramenta de apoio emocional.

“Com a natureza das vivências voltadas à saúde, temos como foco a questão emocional dos professores e profissionais da Educação. Utilizamos a música para contribuir com a promoção da saúde emocional, uma vez que ela possui a capacidade para agir nos padrões mentais e acessar a memória afetiva. Todas as músicas são escolhidas em conjunto com o grupo. Temos como critério músicas que possuem mais facilidade ao acesso dessas memórias”, disse Tércio.

Nathan Araujo (estagiário)/Ascom Semed

Fonte: Prefeitura de Maceió